Cultura do Não me Toque


Brasileiro é cheio de abraços e beijos, alegria e barulho, risos e descontração. Ultimamente talvez o brasileiro esteja exagerando nas medidas, pois o ser humano cada vez quer mais e mais diversão, e cada vez menos obrigação.

Muitas vezes (talvez) por causa destas caracteríscas o brasileiro não é muito levado a sério, e outras vezes nossa descontração (no sentindo bom da palavra) é ligado aos defeitos que também temos.

Senti vergonha algumas vezes do meu Brasil e orgulho em outras vezes. Sinto orgulho por exemplo quando falo das paisagens, locais, praias, comida, culturas, etc. E vejo me falando para meus colegas de trabalho com muito entusiasmo às vezes.

Mas sinto muita vergonha quando por exemplo, tenho que explicar ao meu chefe que perdemos uma mercadoria no Brasil devido apreensão e pedido de propina por parte de fiscais, mesmo eu implorando por pagar imposto de 100% que seja. Vergonha quando me perguntam se é verdade que os bancos tem porta de segurança. E as vezes vergonha devido à tanta burocracia que precisamos passar pra poder crescer neste lindo país.

Mas como podem ver tenho mais orgulho que vergonha.

Mas quero falar especificamente da cultura que tenho percebido nos "estrangeiros de primeiro mundo".

Quando algo vira cultural quer dizer que já está impregnado nas pessoas, já não é algo que precisa de esforço, caráter ou outra qualidade ou defeito. E já é cultural a cultura do não me toque, não entre na minha intimidade, não se intrometa do meu ego.

Através de uma conversa no Brasil com um Quebecois e esposa, estávamos numa casa grande no Rio de Janeiro, e eles impressionados com o tamanho da casa, piscina, etc, foi quando comentaram que trabalho devia dar uma casa daquela para limpar. Disse que pessoas ricas (e eles são ricos) no Brasil costumam ter vários empregados que fazem todo o serviço.

Foi quando caí na besteira de dizer que no Canadá não temos isso, pois a mão de obra é mais cara, eles responderam da seguinte maneira: - não temos não por causa disso, mas sim porque não gostamos que pessoas entrem nas nossas casas e mecham nas nossas coisas, é uma invasão de privacidade muito grande e isso não admitimos de nenhuma maneira, no máximo alguém pode vir limpar com nossa supervisão.

Em outros comentários "bem-humorados" pude notar como a soberba já é cultural e não mais caráter da pessoa. Que pena!

A imagem que tinha do quebecois como uma pessoa mais humana e quente em relação aos EUA por exemplo caiu por terra ali mesmo, e pude ver que as situações da vida, o ego tem aumentado esse tipo de "cultura" também no Quebec.

Mas fui mais a fundo e pude ver que esta cultura maldita está invandindo o mundo todo, onde não temos mais liberdade de expressão, pois pode ofender, pessoas cada vez mais egoístas e fechadas. Os motivos são muitos, mas é para onde estamos indo. Cada vez mais fechados, família não é tão mais importante, etc.

Na volta ao Brasil pude ver que os brasileiros estão indo pro mesmo caminho, começando pelos níveis mais altos, pessoas com nível social mais elevado.

As pessoas estão cada vez menos sociáveis, mesmo as que lutam contra isso devem tomar cuidado para não serem excluídas por serem simpáticas demais, calorosas demais e muitas outras coisas boas demais.

Os "estrangeiros" não sei qual o motivo os levaram a ficar como ficaram, soberbos e cheios de si. Mas e nós brasileiros? Estamos imitando ou temos um motivo?

Fui ensinado a ser claro com quem me rodeia, e se houver algum ponto nervoso, conversar sobre e me desculpar se for o caso, ou me desculpar mesmo se não for o caso para salvar a relação, preferir perder para ganhar. Mas me vi rodeado de uma minoria (Graças a Deus ainda minoria) que se aproxima para sugar e levar vantagem, e no momento que chega a vez de mostrar um mínimo de sinceridade.... Espalham a discórdia e as que ouvem e acreditam.

Talvez por isso o brasileiro já esteja cansado de se abrir e esteja entrando na cultura do não me toque. Eu não quero entrar nesta cultura, quero ser arguído do que creio e debater no que não entendo, e não simplesmente ter uma posição dura de uma coisa que muitas vezes nem entendo.
Estou rodeado de pessoas que já tem essa prática como cultura, então preciso me esforçar ainda mais para que minha prática não diminua, nem pela cultura que me rodeia, nem pela prática "errada" de quem ainda não a tem.

Devido ao alto índice de pedofilia, fica complicado elogiar uma criança, hoje em dia por aqui, até mesmo passar a mão na cabeça delas, é preciso tomar cuidado com nossas normalidades por aqui, até mesmo a criança olha pra você desconfiada, e devemos tomar cuidado sim.

O ser humano está se adaptando a si mesmo, faz a maldade e logo depois cria um dispositivo para evitá-la.

Abraço

Melhor é ser humilde de espírito com os mansos, do que repartir o despojo com os soberbos. Provérbios 16:19

Comentários

Sandro disse…
Well, Well,

Descobri o seu blog a pouco tempo. O que é bem estranho já que sou um consumidor de blogs.

Achei muito interessante o que li até agora e principalmente seus dois últimos posts.

Continue expressando a sua opinião dessa forma direta, e sem ofender ninguém. Fugindo do materialismo que toma conta do mundo real e virtual, e colocando as pessoas para pensar.

Um abraço,

Sandro
Os patos migram em bando
Bruno Pedreira disse…
Definitivamente existe uma certa ordem mundial quem tem apontado para o egocentrismo humano. A cada dia que passa vemos, mesmo no Brasil, pessoas se esforçando para que essa ordem seja implementada.

Pelo visto você e a sua casa tem um fundamento firmado. Uma base escavada na rocha e inevitavelmente você sofrerá e se revoltará a cada dia mais com isso. Somos parceiros da mesma visão!

Quando isso acontecer lembre-se em quem tem crido e que você foi escolhido para se revoltar com as coisas desse mundo e não aceita-las. Todas as pessoas que passarem por sua vida foram escolhidas a dedo para verem a verdade e estão tendo uma oportunidade de terem alguma salvação (mudança de vida também).

O importante é seguir em frente, sacudir a poeira dos pés quando não quiserem e se preparar para a próxima, quem sabe da próxima vez alguém nos ouve?

Gosto muito do teu blog. Sua clareza de visão é excelente. Gostei muito sobre o post de imigrantes solitários, me identifiquei bastante. Logo estarei no Quebec e com certeza vou querer aprender com as experiências dos outros.

Um abraço.
Bea, Glau e Juju disse…
No seu último parágrafo, pensei em algo que ainda não tinha pensado: talvez seja por isso que as pessoas aqui sejam tão "simpáticas e carinhosas" com os bichos, mas não dão a mínima qdo tem uma criança por perto. Nunca vi ninguém sorrir, mexer, fazer uma gracinha com uma criança. Mas já vi muitas dezenas de pessoas mexerem com cachorros e gatos...

Tb não gosto dessa cultura individualista...

Ótimo post! :)

Abraços,
Bea.
Filipe Moreira disse…
Olá!

Definitivamente um ponto triste de se comentar e considerar. Este individualismo tira um pouco da felicidade das pessoas. É realmente necessária essa coisa do "toque" entre as pessoas pra "contagiar".

Eu fico bobo ao ver crianças e bebês, talvez pelo sonho de ter um filho e ser aquele pai babão, e ficaria triste de ver uma criança me olhando torto só pq dei "tchauzinho" e sorri pra ela, e talvez ainda ser preso por isso.

Isso, o Brasil realmente dá show no Canadá. É uma pena...

Abraços.
Daniralmeida disse…
Well,

De fato o egoísmo e o individualismo é um tendencia mundial.

Não dá mais pra confiar em todo mundo, pois existe muita gente interesseira e falsa.

A família está em segundo lugar porque o trabalho está em primeiro.

Amigos é algo raro, eu falo de amigos de verdade, se conta nos dedos de uma mão.

Não quero ser pessimista não, mas como nosso amigo falou aí, é uma ordem mundial. A tecnologia ajuda muito nessa questão do isolamento e por ai vai...

" Nos últimos tempos o amor de QUASE TODOOOOOOOOOOS esfriará"

Ótimo post
diariocanadabrasil.blogspot.com
Mila disse…
Já morei em um punhado de países diferentes, e já me acostumei a várias culturas. O que eu percebo é que quando o país é desenvolvido economica e socialmente as pessoas não precisam se ajudar o tempo todo (nem usar daquele famoso e infame "jeitinho brasileiro") e então não tem necessidade de ficar tão íntimo uns dos outros.

Enfim, é uma cultura diferente né. Tem gente que eu conheço daqui de Recife que está morando no norte da Europa e adora não ter que ficar seguindo as regrinhas de socialização "exageradas" do Brasil. É uma questão de pessoa pra pessoa, tem quem goste e quem não goste. :)
Patinha disse…
Olá Well,demorei a responder pq estava envolvida no ''bota fora''da minha mãe essa semana toda! Sobre sua postagem,sabe que somos abençoados com vizinhos bem calorosos? quando estivemos no Brasil para buscar minha mãe em setembro,na nossa volta nossa vizinha veio nos receber como se tivéssemos ficado fora meses,de abraços e beijos!! nos sentimos tão queridos,fiquei mesmo emocionada,me sentí aquí em nossa terra pq jamais haviamos sido recebidos assim no Brasil por vizinhos!!
Nossos vizinhos são bem legais,os filhinhos dessa por exemplo são agarradíssimos com meu marido,hehe..fazem um alvoroço quando ele chega!! Olha muito obrigada por seu recadinho no blog e por acompanha-lo agora,vamos dar um jeito esse ano que vem de nos conhecermos a todos,o que acha?
Um grande abraço,um Natal cheio de amor e um grande ano repleto de realizações e saúde para vc e sua linda família!
Abçs.

Postagens mais visitadas deste blog

Imigração - Propaganda

Desafio da Coruja Vermelha

Estudando Medicina no Canadá